14/03/2017

6

MEUS POEMAS-71



MEUS POEMAS-71
meus-poemas-71-vagas

VAGAS.

Nas vagas do oceano
eu vagueio,
Sou como a ave
que no seu voo
se embriaga
com o sol e o vento,
Atravesso o reverso do ar
mas num momento!
Eleva-se o meu ser
leve como uma pena
que soprada pelo vento
se eleva até ao reino
da inconstância
e vai pousar
na palavra inquieta,
que muda a existência
e surpreende os homens
na sua obscuridade
enlouquecida e desbotada,
E nesse instante
É o poeta chamado,
E seu sonho encerra,
Desperta o homem calado,
perdido aqui na terra.
Por: António Jesus Batalha.

meus-poemas-71-o-caminho

O CAMINHO.

O caminho por que passou,
Para que fosse crucificado,
Depois que foi humilhado,
A sua voz Santa elevou.

Aos homens meu Pai perdoa,
Porque não podem entender,
Todo o mal que estão a fazer,
Ainda que muito me doa.

De tudo quanto lhe fizeram,
Teve Jesus grande sequidão,
Como água não tinham à mão,
Vinagre na esponja lhe deram.

Depois de tudo o que sofreu,
Em agonia o Senhor bradou,
Ao Pai seu Espírito entregou,
Inclinou sua cabeça e morreu.

Passado o sofrimento, e a dor,
Na tumba negra o sepultaram,
Mas ás mulheres que o visitaram,
Foi dito: ressuscitou! O Senhor!
Por: António Jesus Batalha.

meus-poemas-71-podes-abrir

PODES ABRIR.

Se queres rasgar o meu peito,
E se estas palavras sabes ler,
Podes ler o que Jesus tem feito,
Mas não o que Jesus vai fazer.

Repara que tenho nova vida,
E o amor gravado no coração,
A verdade e a graça seguida,
Fez meu ser, mudar a direcção.

A tinta com que se escreveu,
É o precioso sangue de Jesus,
Que de livre vontade Ele deu,
Por mim e por ti na dura cruz.
Por: António Jesus Batalha.


A Verdade Em Poesia, António Batalha, Bíblia Sagrada, Ciência, Desporto,Meus Poemas, Deus,Jesus Cristo,

Enviar um comentário